ESCANEAMENTO INTRAORAL – A EXPERIÊNCIA DO OPERADOR INFLUENCIA NA PRECISÃO DA SOBREPOSIÇÃO DE ARQUIVOS STL E DICOM?

R$ 56,00

Artigo em PDF para download

ATENÇÃO: Após a confirmação de pagamento você receberá em seu email cadastrado um link para download do arquivo em versão PDF e também será disponibilizado em nosso site um link para download do arquivo.
Tanto o envio do email quanto a disponibilização do link para download só serão efetivadas após a validação do seu pagamento.

Descrição

Vol. 13 – Número 50 – 2022

CADERNO DE IMPLANTODONTIA

Artigo original

Página 68-71
Escaneamento intraoral – a experiência do operador influencia na precisão da sobreposição de arquivos STL e DICOM?

Victória Alberton¹
Simone Alberton²
Danilo Ciotti¹
Gabriela Scortegagna¹
Jessica Martins¹
Cristina Rech¹

Resumo
Embora a sobreposição de arquivos digitais, como a tomografia e o escaneamento intraoral, vem provando ser um procedimento confiável por se tratarem de arquivos diferentes, esta confiabilidade pode ser afetada, influenciando na precisão dos guias cirúrgicos periodontais, também chamados de Perioguide®. O objetivo deste trabalho foi avaliar se a experiência do operador em escaneamentos intraorais influencia na precisão da sobreposição de imagens entre arquivos STL (estereolitografia) e DICOM (Comunicação de Imagens Digitais em Medicina). Neste estudo, foi utilizado um crânio com maxila contendo 15 elementos dentais e gengiva artificial confeccionada com Gingifast Rígido-Zhermack® (Badia Polesine, Itália). Os escaneamentos da maxila do crânio utilizado neste estudo (n=20) foram feitos com o scanner TRIOS® 3-3SHAPE® (Copenhague, Dinamarca) por dois grupos: G1- um profissional experiente (N=10) e G2- 10 profissionais inexperientes (N=10). Esses escaneamentos foram sobrepostos com uma tomografia computadorizada e medidas foram realizadas em três dentes específicos com uma régua digital calibrada, através do programa Implant Studio®. O teste de Levene foi usado para avaliar a igualdade de variância e, de acordo com o resultado, mostraram-se homocedásticos (p= 0,146138076). As diferenças entre os grupos de teste (G1xG2) foram analisadas usando ANOVA unidirecional e testes HSD post hoc de Tukey. O nível de significância utilizado foi de 5%. Com base neste trabalho, concluiu-se que a experiência do operador em escaneamentos intraorais não influenciou na precisão das medidas obtidas pela sobreposição de imagens entre arquivos STL e DICOM. Os operadores sem experiência obtiveram resultados semelhantes quando comparados ao operador com experiência.

Descritores: Tomografia, desenho assistido por computador, Periodontia.

¹ Periodontia – SL Mandic.
² Dentística – CEOM.

DOI: 10.24077/2022;13502419220

Avaliações

Não há avaliações ainda.

Seja o primeiro a avaliar “ESCANEAMENTO INTRAORAL – A EXPERIÊNCIA DO OPERADOR INFLUENCIA NA PRECISÃO DA SOBREPOSIÇÃO DE ARQUIVOS STL E DICOM?”
Precisa de ajuda?