Editoriais Orthodontic Science and Practice – Edição 47

Prof. Dr. Alexandre Moro
Diretor Científico

Alinhadores removíveis: caos ou oportunidade?

Que o mundo está se transformando rapidamente não temos dúvida. Entretanto, muitas vezes, devido à correria do dia a dia não nos damos conta disso, e o mesmo vale para a nossa profissão. Sem dúvida alguma os avanços tecnológicos são o grande motor dessa transformação.

Nessa onda tecnológica chegaram os alinhadores. Na verdade, eles estavam presentes há vários anos, ou seja, desde 1999, com o lançamento do Invisalign nos Estados Unidos. No Brasil, só percebemos isso há cerca de 3 anos, quando então a Align abaixou seus preços e iniciou grandes campanhas de marketing, algumas voltadas diretamente para o consumidor.

Na sequência, surgiram empresas de alinhadores nacionais e alguns outros grandes grupos estrangeiros, como a Straumann,  também aportaram por aqui.

E agora, para completar o caos, chegaram ao Brasil empresas que vendem o alinhador direto para o consumidor. O paciente paga 30 reais e recebe pela internet um kit para fazer moldagens em casa, envia para a empresa e recebe de volta sua sequência de alinhadores. Isso já existe há alguns anos nos Estados Unidos, e uma destas empresas, a Smlie Direct Club, já possui mais de
1000 reclamações em órgãos especializados na internet, segundo a Associação Americana de Ortodontia.

Para embaralhar ainda mais o mercado, alguns profissionais têm cobrado por tratamento com alinhadores um preço fechado de 8 mil reais. Se a pessoa paga para a empresa de alinhadores 6 mil, sobram 2 mil. Será que ela está pagando seus impostos? Se ela pagar mais 16% de imposto mínimo, não vai sobrar nada. Ou seja, ela está trabalhando de graça. Aí vem a pergunta: a empresa de alinhadores está trabalhando para o ortodontista ou o ortodontista está trabalhando para a empresa de alinhadores?

Por outro lado, temos visto pessoas que estavam quase desistindo da Ortodontia, e que com os alinhadores estão alavancando seus consultórios e, aparentemente, tendo sucesso na profissão. Verdade que isso tem vindo junto com campanhas agressivas de marketing nas redes sociais.

Outros profissionais têm surfado a onda dos alinhadores somente para ministrar cursos sobre o tema. O engraçado é que esses profissionais, mesmo sem ter experiência clínica, ensinam as pessoas a tratar com os alinhadores. Esse mesmo fenômeno aconteceu com a Ortodontia Lingual há alguns anos.

Outros profissionais já estão olhando um pouco mais à frente, e pensam que dentro de 3 a 5 anos o número de retratamento de casos com alinhadores será grande, e isso será uma oportunidade de crescimento. Isso acontecerá porque muitos profissionais estão usando os alinhadores sem o conhecimento necessário, seja de diagnóstico ortodôntico ou da biomecânica dos alinhadores.

E para você, os alinhadores representam o caos ou a oportunidade?

Prof. Dr.Alexandre Moro
Diretor Científico

Prof. Dr. Ricardo Moresca
Editor Científico Adjunto

Bem-vindos ao 12º Congresso da ABOR!

Após 25 anos de existência, a Associação Brasileira de Ortodontia e Ortopedia Facial (ABOR) chega a sua maturidade plena, atuando de maneira incansável no desenvolvimento da especialidade em nosso país com seriedade e ética. Atualmente é constituída de 23 entidades estaduais, do Board Brasileiro de Ortodontia e do Grupo Brasileiro de Professores em Ortodontia e Odontopediatria.

O Congresso do Rio de Janeiro é, sem dúvida, uma celebração às conquistas da ABOR ao longo de sua existência, materializando os ideais a partir dos quais foi forjada, primando pela excelência dos profissionais, buscando participação na regulamentação do ensino da Ortodontia e alcançando a unificação nacional.

A ABOR, fundada em 25 de janeiro de 1994 na cidade de São Paulo, nasceu a partir da determinação de um visionário, o Dr. Eros Petrelli, em concretizar um sonho que nasceu em 1977: a criação de uma entidade nacional que congregasse as associações estaduais. Este sonho o Dr. Eros compartilhou com os ortodontistas da época ao publicar um Editorial na Revista Ortodontia Paranaense intitulado “Associação Brasileira de Ortodontia”.

Inicialmente, a entidade chamava-se Colégio Brasileiro de Ortodontia e participaram de sua fundação as, nominadas na época, Sociedades Gaúcha, Goiana, Mineira, Paranaense, Paulista e Pernambucana de Ortodontia e pelo Grupo Brasileiro de Professores de Ortodontia e Odontopediatria (GRUPO). A primeira diretoria foi constituída pelo Dr. Eros Petrelli (Presidente), Dr. Jairo Correa (Vice-Presidente) e Dr. Gerson Irandir Köhler (Secretário-Geral).

Coincidentemente, iniciei minha formação em Ortodontia no Curso de Especialização da UFPR em março de 1994, sob a coordenação do Dr. Eros Petrelli. Mesmo não entendendo completamente o significado de tudo o que acontecia na época, lembro-me bem do orgulho de todos a respeito da fundação do então Colégio Brasileiro de Ortodontia e, especialmente, do entusiasmo do Dr. Eros pela concretização de um sonho de 17 anos.

Quando estive à frente da Associação Paranaense de Ortodontia (APRO), hoje ABOR-PR, tive acesso ao acervo da Revista Ortodontia Paranaense. Como homenagem a este grande evento, reproduzo aqui o que pode ser considerada a primeira semente da ABOR, o editorial do Dr. Eros Petrelli de 1977.

Para quem ama a Ortodontia, não tem como não se emocionar!

Boa leitura e bom Congresso!

Prof. Dr. Ricardo Moresca
Editor Científico Adjunto

Editorial – Caderno Digital Dentistry in Science

Prof. Dr. Mauricio Accorsi

Diretor Científico DDS-BR

Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro;
a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz.
(Platão)

Nesta terceira edição do nosso Caderno Científico, especial para o XII Congresso Internacional da Associação Brasileira de Ortodontia, no Rio de Janeiro, temos a felicidade de perceber o interesse que o nosso DDS-BR já começa a despertar na comunidade ortodôntica, na medida em que fica cada vez mais evidente a necessidade de publicações focadas neste tema tão importante para a Odontologia, em um momento histórico de revolução tecnológica que estamos tendo o privilégio de presenciar e protagonizar em tempo real. Nesta edição temos a alegria de apresentar um belíssimo trabalho sobre Colagem Indireta Precisa baseada em um sistema CAD/CAM, assinado pelo Dr. Fernando Moreira, e também o primeiro artigo da nossa nova coluna, batizada de Opinião Digital, que deverá oferecer análises sob diferentes perspectivas do que podemos esperar para o futuro da profissão. Mudanças conceituais, que naturalmente vem a reboque em função da grande quantidade de novas informações disponíveis, também deverão ser abordadas na medida em que nos deparamos com um novo perfil de cliente que nos procura para tratamento, pois mudanças comportamentais na sociedade também impactam a prática da Ortodontia e afetam a todos nós. Em uma primeira reflexão, iremos comentar sobre os riscos da monopolização do mercado, operado por grandes corporações,  diminuindo a importância do ortodontista clínico. Na próxima edição teremos um convidado que irá trazer um contraponto as nossas considerações, pois o debate de ideias nunca foi tão importante como neste momento da nossa profissão.

Dr. Mauricio Accorsi