Relação da espessura do osso cortical da crista infrazigomática e buccal shelf em diferentes tipos de padrões faciais

Relação da espessura do osso cortical da crista infrazigomática e buccal shelf em diferentes tipos de padrões faciais

Vol. 16 – Número 63 – 2023 Artigo original Página 85-91 Relação da espessura do osso cortical da crista infrazigomática e buccal shelf em diferentes tipos de padrões faciais Hibernon Lopes Filho1 Dayanne Hillary Azevedo de Carvalho2 Danila Bezerra de Moura2 Samara Simões Padilha3 Daniel Paludo Brunetto5 Resumo A crista infrazigomática e buccal shelf possuem maior quantidade de osso corticalizado, que favorece a instalação de mini-implantes pela diminuição dos riscos de acidentes como também pelas maiores chances de estabilidade primária. Este trabalho tem como finalidade analisar a espessura óssea na região da crista infrazigomática e buccal shelf em diferentes tipos de padrões faciais por meio de tomografia computadorizada de feixe cônico, a fim de constatar a presença suficiente de osso corticalizado nessas regiões para inserção de mini- -implantes. A amostra de conveniência foi composta por 24 tomografias, divididas em três grupos: dolicofacial (G1), mesofacial (G2) e braquifacial (G3), as quais foram mensuradas no solfware ImplantViewer 3. O estudo envolveu duas variantes: padrão de crescimento vertical e espessura da cortical óssea na área da crista infrazigomática e da buccal shelf. 30% da amostra foi utilizada para realização do cálculo de reprodutibilidade e posteriormente a amostra completa foi submetida à análise de variância, seguido do teste de post-hoc Tukey HSD. Não houve interferência do padrão facial para a crista infrazigomática, entretanto, houve diferença estatística entre os grupos braquifaciais e dolicofaciais, como também entre os braquifaciais e mesofaciais no que diz respeito ao buccal shelf, nos quais os indivíduos braquifaciais mostraram maior espessura, seguido dos mesofaciais e dolicofaciais. Concluiu-se que os indivíduos pertencentes ao grupo braquifacial apresentaram maior espessura na região da buccal shelf quando comparados aos demais, e todos os grupos apresentaram espessura suficiente para segura instalação dos mini-implantes. Descritores: Implante dentário subperiósteo, Ortodontia, tomografia computadorizada de feixe cônico. 1 Doutor em Ortodontia – UNIT/ Afya. 2 Acadêmica em Odontologia – UMIT/ Afya. 3 Pós-Graduanda em Ortodontia – UNIT/ Afya. 5 Professor da Pós-Graduação – UFPR. DOI: 10.24077/2023;1662-01987126

Este conteúdo é restrito a membros do site. Se você é um usuário registrado, por favor faça o login. Novos usuários podem registrar-se abaixo.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
Precisa de ajuda?