Levantamento de protocolos adotados por especialistas para restaurações indiretas do tipo coroa total sobre substrato dental em região anterior e posterior

Levantamento de protocolos adotados por especialistas para restaurações indiretas do tipo coroa total sobre substrato dental em região anterior e posterior

Vol. 12 – Número 47 – 2021 CADERNO DE ODONTOLOGIA CLÍNICA Artigo original Página 102-106 Levantamento de protocolos adotados por especialistas para restaurações indiretas do tipo coroa total sobre substrato dental em região anterior e posterior Nathalia Silveira Finck1 Mariana Itaborai Moreira Freitas2 Yasmin Ferreira3 Rafael Dario Werneck4 Resumo O objetivo desse estudo foi identificar os protocolos utilizados para restaurações indiretas anteriores e posteriores sobre substrato dental, utilizados nos cursos de Especialização em Prótese Dentária e por profissionais já especialistas da área. Participaram deste estudo dois grupos, o primeiro composto por 40 cirurgiões-dentistas especialistas em Prótese Dentária e o segundo por 7 cursos de Especialização na mesma área. Ambos responderam a um mesmo questionário sobre sistemas cerâmicos e cimentação utilizados para restaurações indiretas unitárias de dentes posteriores e anteriores, sobre substrato dental na cor A2 da escala VITA (Vita Zahnfabrik). Foi observado que dentre os protesistas, a maioria (82,5%) optou pelo dissilicato de lítio para restaurações indiretas em dentes anteriores e metalocerâmica (32,5%) para dentes posteriores. Alumina e feldspática foram os materiais menos utilizados tanto na região anterior, quanto posterior. O cimento resinoso dual foi o mais utilizado para dentes anteriores (57,5%) e posteriores (45%). Dentre as escolas de cursos de Especialização e Atualização, o dissilicato de lítio (86%) foi a primeira escolha para dentes anteriores e, para dentes posteriores, a zircônia (72%). Em relação à cimentação, tanto na região posterior, quanto na anterior, o cimento resinoso dual foi o mais utilizado. A partir desse levantamento dos protocolos utilizados, foi possível identificar que as duas realidades se equiparam, principalmente, na região anterior com a preferência pelo dissilicato de lítio, ressaltando a importância do conhecimento dos materiais disponíveis no mercado. Descritores: Porcelana dentária, protocolos clínicos, cimentos dentários. 1 Docente do curso de Odontologia – Rede de Ensino Doctum, Esp. em Prótese Dentária e Me. em Clínica Odontológica – UFES. 2 Me. e Doutoranda em Clínica Odontológica – Área de concentração Prótese Dental – FOP/UNICAMP. 3 Graduada em Odontologia – FAESA. 4 Docente do curso de Odontologia – FAESA, Esp. em Prótese Dentária, Dor Orofacial, Disfunção Temporomandibular e Implantodontia, Me. e Dr. em Odontologia. DOI: 10.24077/2021;1247102106 Prezado assinante, o artigo estará disponível para download em janeiro de 2022.

Este conteúdo é restrito a membros do site. Se você é um usuário registrado, por favor faça o login. Novos usuários podem registrar-se abaixo.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
Abrir conversa
Precisa de ajuda?