Deficiências biomecânicas dos alinhadores – dentes posteriores

Deficiências biomecânicas dos alinhadores – dentes posteriores

Vol. 16 – Número 62 – 2023 Relato de caso Página 31-37 Deficiências biomecânicas dos alinhadores – dentes posteriores Weber José da Silva Ursi¹ Murilo Matias² Resumo Nos últimos anos, um número crescente de pacientes adultos tem procurado tratamento ortodôntico e expressado o desejo de alternativas estéticas e confortáveis aos aparelhos fixos convencionais. A possibilidade de usar aparelhos ortodônticos transparentes foi introduzida em 1946, quando Kesling desenvolveu o conceito de usar uma série de posicionadores termoplásticos para mover progressivamente os dentes desalinhados para as posições corretas. Contudo, as deficiências biomecânicas próprias dos alinhadores levaram a se desenvolver, além de planejamentos digitais customizados e inteligentes, ferramentas auxiliares, como attachments otimizados, ancoragem esquelética e tratamentos híbridos combinados com aparelhos fixos com arco contínuo ou segmentado, os quais podem ser incorporados antes, durante ou após o uso dos alinhadores, permitindo que os objetivos ideais pretendidos sejam alcançados. Para ilustrar, apresentamos um caso clínico de segundos molares superiores posicionados em mordida cruzada, torque lingual de coroa e giroversão para mesial, corrigidos com mecânica segmentada, utilizando fios retangulares de TMA com alças em “T” para obtenção de um melhor controle tridimensional do movimento. Descritores: Ortodontia, alinhadores transparentes, biomecânica. ¹ Me. e Dr. em Ortodontia – FOB/USP, Professor Livre Docente – ICT/UNESP. ² Me. e Dr. em Ortodontia – FOB/USP, Professor do Programa de Mestrado Profissional em Ortodontia – UNG. DOI: 10.24077/2023;1662-060123e7

Este conteúdo é restrito a membros do site. Se você é um usuário registrado, por favor faça o login. Novos usuários podem registrar-se abaixo.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
Precisa de ajuda?