Avaliação da resistência à fratura de caninos superiores tratados endodonticamente e restaurados com pinos de fibra de vidro – estudo in vitro

Avaliação da resistência à fratura de caninos superiores tratados endodonticamente e restaurados com pinos de fibra de vidro – estudo in vitro

Vol. 13 – Número 50 – 2022 CADERNO DE ODONTOLOGIA CLÍNICA Artigo original Página 106-111 Avaliação da resistência à fratura de caninos superiores tratados endodonticamente e restaurados com pinos de fibra de vidro – estudo in vitro Raphaela Cassia de Lima¹ Guilherme Berger¹ Ederson Aureo Gonçalves Betiol¹ Zenildo Norberto Stall² Resumo O sucesso da restauração do dente tratado endodonticamente e restaurado com pino intrarradicular depende de uma adequada reconstrução estrutural, sendo a quantidade de remanescente coronário e radicular fatores relevantes na sua resistência. O objetivo deste trabalho foi avaliar a resistência radicular à fratura de caninos superiores humanos com três diferentes alturas de remanescentes coronários (0, 2 e 4 mm de altura). Foram utilizados 40 caninos superiores divididos em 4 grupos: A) seccionado ao nível da junção amelocementária; B) com 2 mm de remanescente coronário; C) com 4 mm de remanescente coronário e D) com 4 mm de remanescente coronário, mas sem a utilização do pino intracanal. Os dentes foram tratados endodonticamente e os Grupos A, B e C restaurados com pinos de fibra de vidro, White post DC, da FGM, cimentados com cimento Multilink N. Todos os espécimes foram restaurados com resina composta Charisma. Os espécimes foram submetidos a testes de compressão e os resultados foram expressos na quantidade de Kgf necessária para proporcionar ou não a fratura do conjunto pino-raiz. As médias necessárias para falha catastrófica foram: Grupo A – 55,30Kg/f (dp=14,6); Grupo B – 53,97 kg/f (dp=11,18); Grupo C – 37/58Kg/f (dp=16,68) e Grupo D – 51,59Kg/f (dp= 18,82). Concluiu-se que não houve diferenças significativas entre os grupos, porém observou-se que a força máxima necessária para a fratura do conjunto pino-raiz foi, em média, menor no Grupo C, e o Grupo D apresentou maior resistência. Descritores: Pinos dentários, férula, técnica para retentor intrarradicular. ¹ Departamento de Odontologia Restauradora – UFPR. ² Odontologia Restauradora – Faculdade Herrero. DOI: 10.24077/2022;13502286110

Este conteúdo é restrito a membros do site. Se você é um usuário registrado, por favor faça o login. Novos usuários podem registrar-se abaixo.

Login de Usuários
   
Registro de Novo Usuário
*Campo obrigatório
LEIA MAIS
Precisa de ajuda?