Odontofobia: Você sabia que medo de dentista é mais comum em adultos?

Publicado em 08/08/2018 00:00

Experiências ruins vivenciadas no consultório é motivo para odontofobia
 
É comum conhecer alguém que possui medo de dentista. E ao contrário do que se poderia imaginar essa situação é muito mais comum em adultos que em crianças. Contudo, o medo não é algo natural, pois ele não nasce com a pessoa. Está ligado a experiências prévias desagradáveis e relacionadas aos tratamentos odontológicos.
 
A especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial, Janaína Melo explica que tratamentos dolorosos na infância se tornam o reflexo da odontofobia nos adultos. “Alguma experiência dolorosa em relação ao tratamento ou ainda algum procedimento que tenha resultado em um trauma, causando uma dificuldade enorme inclusive para marcar consultas ao dentista”, diz.
 
O medo começa na infância quando os pais associam a ida ao dentista como uma punição, castigo ou ainda quando preparam a criança para a visita, contudo ele fica internalizado na pessoa e segue presente na vida adulta. "É como se você começasse a prepará-la para qualquer acontecimento, bom ou ruim. Ninguém prepara um filho para tomar um sorvete delicioso, mas prepara para 'ir ao dentista amanhã', situação que muitas vezes é tão agradável para a criança como tomar um sorvete", explicou a dentista.
 
Preparar a criança para ir ao dentista gera desconfiança pois ela associa que algo ruim vai acontecer devido o alerta dos pais. "É necessário tratar a ida ao dentista como uma coisa legal, acredite, ir ao dentista pode ser sim muito agradável", completou.
 
Confira as dicas da médica para tornar o consultório mais agradável:
 
Investir em recursos lúdicos;
Memórias afetivas e olfativas;
Brincadeiras antes da consulta;
Filmes na sala de recepção;
Não utilizar jalecos brancos, dar preferência a cores.
 
Cuidados que os pais devem ter com os filhos:
 
Cuidar da saúde dentária das crianças é muito importante, pois o check up preventivo evita demorados e, às vezes,  dolorosos tratamentos odontológicos. É necessário ter atenção para as lesões aparentemente pequenas e inofensivas, pois estas podem esconder algo mais sério, com reflexos nas arcadas dentárias e articulação da mandíbula.
 
 
Fonte: Folha Vitória

EDITORA PLENA